O marido deve cumprir os seus deveres conjugais para com a sua mulher, e da mesma forma a mulher para com o seu marido. – 1 Coríntios 7:3

Algumas pessoas acreditam que a Bíblia não tem nada de bom para dizer sobre sexo, como se tudo o que Deus quisesse fosse nos dizer quando não fazê-lo e com quem não fazê-lo. Na realidade, contudo, Deus tem grandes coisas a dizer a respeito do sexo e da bênção que ele pode ser para ambos, marido e esposa. Mesmo os limites e as restrições são maneiras de Deus manter a nossa experiência sexual em um nível muito mais elevado do que os anunciados na televisão e nos filmes.
No casamento cristão, o romance deve prosperar e florescer. Afinal de contas ele foi criado por Deus. É tudo uma questão de celebrar o que Deus nos deu, nos tornando um com nosso cônjuge enquanto, simultaneamente, alcançamos pureza e santidade. Ele se alegra em nós quando isso acontece.
Cantares de Salomão, por exemplo, apesar de ser freqüentemente interpretado de forma incorreta como nada mais que uma alegoria da paixão de Deus por Seu povo é, na verdade, uma linda história de amor. Ele descreve o ato sexual entre o marido e a esposa em detalhes poéticos, mostrando como um corresponde ao outro. Ele expressa como a honestidade e o entendimento em assuntos sexuais levam a uma vida segura de amor.
É verdade que o sexo é apenas um dos aspectos do casamento. Contudo, com o passar do tempo, um de vocês dará mais importância a ele do que o outro. Como resultado, a natureza da unidade como homem e mulher estará ameaçada e em perigo.
Mais uma vez, o fundamento bíblico do casamento foi originariamente expresso na criação de Adão e Eva. Ela foi feita para ser “alguém que o auxilie e o corresponda” (Gênesis 2:18). A unidade do relacionamento deles e de seu corpo físico era tão forte que foram considerados como “uma só carne” (Gênesis 2:24).
Esta mesma unidade é a marca de todo casamento. No ato do romance, unimos o ‘nosso coração um ao outro em uma expressão de amor que nenhuma outra forma de comunicação pode atingir. É por esta razão que “o leito conjugal deve ser conservado puro” (Hebreus 13:4). Esta mesma experiência não é para ser compartilhada com mais ninguém. .
Entretanto, nós somos fracos. E quando essa necessidade ilegítima é invalidada – quando é tratada como sendo egoísta, como sendo uma exigência do outro – nosso coração está sujeito a se afastar do casamento, tentado a preencher este desejo em algum outro lugar, de alguma outra forma.
Para agir contra essa tendência, Deus estabeleceu o casamento com a mentalidade de “uma só carne”. “A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher” (1 Coríntios 7:4).
O sexo não é para ser utilizado como uma negociação. Ele não é algo que Deus nos permite reter sem conseqüências. Apesar de existirem abusos a esse padrão projetado divinamente, a essência do casamento é a de nos dar ao outro para satisfazer suas necessidades.
O sexo é uma oportunidade dada por Deus para cumprir esse propósito.
Então, “não se recusem um ao outro,” a Bíblia adverte, “exceto por mútuo consentimento e durante certo tempo, para se dedicarem à oração. Depois, unam-se de novo, para que Satanás não os tente por não terem domínio próprio” (1 Coríntios 7:5).
Você é a única pessoa chamada e designada por Deus para satisfazer as necessidades sexuais do seu cônjuge. Se você permitir que a distância cresça entre vocês nessa área, se você permitir que a rotina tenha lugar em seu casamento, você está tomando algo que, por direito (e exclusivamente), pertence ao seu cônjuge. Se você permitir que seu cônjuge saiba – através de palavras, ações ou falta de ação – que o sexo não precisa ser mais do que você quer que seja, você rouba dele o sentido de honra e ternura que foi estabelecido por ordem bíblica. Você viola a unidade “uma só carne” do casamento.
Então, seja você aquele que se vê como o que está sendo privado, ou aquele que admite estar privando o outro, saiba que o plano de Deus é que vocês encontrem o equilíbrio e cheguem a um acordo. Mas saiba também que o caminho para cheguem até lá não é alcançado com reclamações, argumentações e mau humor. O amor é a única maneira de restabelecer a união apaixonada entre vocês. Cada um dos aspectos que O Desafio de Amar aborda – paciência, bondade, generosidade, atenção, proteção, honra e perdão – terá um papel na renovação da intimidade sexual de vocês. Quando o amor de Cristo é a fundação do seu casamento, a força da amizade e a relação sexual podem ser experimentadas a um nível que o mundo nunca conhecerá.
“Vocês foram comprados por alto preço”, Deus declarou (1 Coríntios 6:20). Ele colocou o Seu amor em você e fez tudo para lhe fazer desejá-la. Agora é a sua vez de pagar o preço do amor para ganhar o coração da sua esposa ou do seu marido. Quando agir assim, você sentirá a felicidade absoluta que flui quando o sexo é feito por todas as razões corretas. E, como se não fosse suficiente, você também terá a oportunidade de “glorificar a Deus com o seu próprio corpo” (1 Coríntios 6:20). Que bonito!

DESAFIO DE HOJE:

Se possível, relacione-se sexualmente com o seu marido ou com sua esposa hoje. Faça isso de maneira que honre o que seu cônjuge lhe disse (ou deixou implícito) a respeito das necessidades dele em relação à sexualidade. Peça a Deus para que esse momento seja agradável para os dois e para que também seja um caminho para uma intimidade cada vez maior.
Essa foi uma experiência satisfatória para você? Se não aconteceu da maneira como você esperava, o que você acha que está dificultando a situação? Você já se comprometeu em levar isso a Deus em oração? Se foi bênção para os dois, o que você pode aprender com isto para o futuro?

Quão formosa, e quão aprazível és, ó amor em delicias! (Cantares de Saio mão 7:6)

Adicione um comentário abaixo de como foi o 32º dia 

..........Próximo
Anterior..........