E desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor. – Oséias 2:20

Como cristãos, o amor é a base de toda nossa identidade. Nosso novo nascimento veio porque “Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu filho unigênito para que todo aquele que n’Ele crê não pereça mas tenha a vida eterna” (João 3:16). Quando pediram para Jesus esclarecer qual era o maior de todos os mandamentos, Ele respondeu, ”Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda sua alma, de toda sua força e de todo o seu entendimento e ame o seu próximo como a si mesmo” (Lucas 10:27).O amor que temos pelo próximo deveria ser o que nos identifica como discípulos de Cristo (João 13:35).
Essa é a base e o fundamento da nossa existência (Efésios 3: 17), cujo propósito é expressado com paixão e fervor (I Pedro 4:8). É uma qualidade que precisa crescer e transbordar mais e mais (I Tessalonicenses 3: 12), sempre nos aperfeiçoando e sendo reconhecidos por isto.Então, se fomos criados para compartilhar o amor, o que você faz quando o amor é rejeitado? Como você reage quando a pessoa para quem você dedica sua vida não aceita o amor para o qual você foi chamado para demonstrar?
O acordo do profeta Oséias é um dos mais extraordinários da Bíblia. Indo contra toda lógica e conveniência, Deus o instruiu a se casar com uma prostituta. Ele desejava que o casamento de Oséias mostrasse como o amor incondicional dos céus por nós se parece. A união de Oséias com Gômer gerou três filhos mas, como esperado, essa mulher que por muito tempo teve uma vida imoral não se contentou em permanecer fiel a um único homem. Então Oséias teve que lidar com um oração ferido e com a vergonha do abandono.
Ele tinha amado Gômer, mas ela desprezou o seu amor. Eles cresceram juntos, mas depois ela foi desleal e adúltera, rejeitando-o por cobiça a homens totalmente estranhos.
O tempo passou e Deus falou novamente com Oséias. Deus disse para ele ir e reafirmar o seu amor pela mulher que por várias vezes lhe fora infiel. Dessa vez ela atingiu um nível mais baixo e teve que ser comprada do meio dos escravos, mas Oséias pagou o preço pela redenção dela e a levou de volta para casa. Sim, ela tratou o amor dele com descaso. Ela traiu seu coração. Mas ele a convidou de volta a sua vida, expressando um amor incondicional.
Esta é uma história real, mas foi usada como exemplo do amor de Deus por nós. Ele derrama o seu amor em nós sem medida, apesar de, como recompensa, geralmente não prestarmos atenção. Às vezes agimos vergonhosamente e consideramos Seu amor intruso, como se Ele estivesse nos privando do que realmente queremos. Nós O rejeitamos de várias maneiras – mesmo depois de receber Seu dom da salvação eterna – e ainda assim Ele nos ama. Ele permanece fiel.
Mesmo assim, Seu amor não O priva de nos chamar a prestar contas pelo nosso descaso por Ele: Pagamos mais por nossa rejeição do que imaginamos. Mas ainda assim, Ele escolhe responder com graça e misericórdia. “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça (Efésios 1:7).- Nele temos o modelo do que
o amor rejeitado faz. Esse amor permanece fiel.
Jesus nos chamou para esse tipo de amor na paSsagem conhecida como o Sermão da Montanha. Ele disse, ”Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, bendizei aos que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam” (Lucas 6:27-28).
“Se amardes aos que vos amam, que mérito há nisso? Pois também os pecadores amam aos que os amam. E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que mérito há nisso? Também os pecadores fazem o mesmo” (Lucas 6:32-33).
“Amai, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. Então a recompensa que terão será grande e vocês serão filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso para com os ingratos e maus” (Lucas 6:35).
No momento em que estava no altar, você nunca imaginaria que a pessoa com quem você estava se casando poderia se tornar, mais tarde, um tipo de inimigo, daqueles que você precisaria amar como atitude de sacrifício quase total. E com bastante freqüência no casamento, o relacionamento realmente chega a esse nível. E até mesmo ao ponto de traição ou, infelizmente, à infidelidade.
Para muitos esse é o princípio do fim. Alguns reagem rapidamente indo em direção a um trágico divórcio. Outros, mais protetores de sua reputação do que de sua própria felicidade, decidem deixar a farsa continuar. Mas eles não têm a intenção de apreciá-la – muito menos de amar um ao outro novamente.
Este não é o modelo, contudo, do seguidor de Cristo. Se o amor é para ser igual ao d’Ele, é preciso amar mesmo quando o seu amor é rejeitado. E para que o seu amor seja assim, você necessita do amor de Cristo para iniciar.
Você pode dar amor imerecido ao seu cônjuge porque Deus lhe deu esse tipo de amor – repetidamente e continuamente. O amor é geralmente mais expressado àqueles que menos merecem.
Peça a Ele para lhe encher do amor que só Ele pode prover então, decida dá-lo a seu cônjuge de forma que demonstre a sua gratidão a Deus por lhe amar. Esta é a beleza do amor redimido. Este é o poder da fidelidade.

DESAFIO DE HOJE:

Amar é uma escolha. Não um sentimento. É uma ação inicial não uma ação automática.
Hoje, escolha estar comprometido a amar mesmo que seu cônjuge tenha perdido o interesse em receber o seu amor diga a ele hoje em palavras semelhantes a essas, “eu amo você e ponto final. Eu escolho amar você mesmo se você não me amar em troca”.
Por que esse tipo de amor é impossível sem o amor de Cristo batendo em seu coração? Como a presença de Deus em você lhe capacita a amar, mesmo quando não é, inicialmente, recíproco?

Escolhi o caminho da fidelidade. (Salmos 119:30)

Adicione um comentário abaixo de como foi o 22º dia 

..........Próximo
Anterior..........